Você está em:

Vereadores debatem situação da água em Ouro Preto

E-mail Imprimir PDF

Problemas relacionados ao abastecimento de água e ao tratamento de esgoto no município de Ouro Preto têm sido recorrentes nas discussões das reuniões da Câmara Municipal. Buscando entender melhor a situação do Serviço Municipal de Água e Esgoto de Ouro Preto (Semae-OP), o presidente Wander Albuquerque (PDT) e o vereador Vantuir Silva (SD) apresentaram requerimento nº290/17, solicitando informações sobre o órgão. Com isso, o superintendente do Semae-OP, Júlio César Corrêa, participou da Tribuna Livre na reunião dessa quinta-feira (24) para falar sobre como encontrou a autarquia no início do atual governo e o que tem sido feito para melhorar a atuação do órgão.


“O Semae, representado pelo superintendente, trouxe dados da dívida que foi encontrada no órgão. Foi falado também sobre os mananciais que abastecem o sistema de água em Ouro Preto, que estão com apenas 40% da sua totalidade, o que mostra ser preciso termos consciência que precisamos economizar água. Os projetos futuros apresentados nos tranquilizam, uma vez que não podemos apenas ficar com projetos de ação imediata, como os caminhões-pipa e os poços artesianos”, afirmou o presidente da Câmara, Wander Albuquerque.

Segundo o superintendente Júlio Corrêa, havia uma dívida no órgão no valor de R$1,6 milhão e tem sido feitos diversos esforços para quitar os débitos nos últimos meses e organizar melhor o funcionamento do Semae e o atendimento à comunidade. “O que mais me assustava era a dívida com a Cemig, que chegou em torno de R$900 mil. Hoje estamos equalizando as contas, conseguindo pagar dentro do possível e, agora, vamos poder dar um retorno para a população”. Júlio ainda falou que o órgão está trabalhando para qualificar o atendimento dos pedidos feitos pela população, mas é preciso que os cidadãos continuem entrando em contato com o Semae para que autarquia busque resolver as principais necessidades de cada região.

Durante a reunião, os vereadores aproveitaram a presença dos representantes do Semae na Casa Legislativa para tirar dúvidas, apresentar críticas e sugestões. Vantuir questionou, por exemplo, sobre o uso dos caminhões-pipa no município. “Fiz o convite ao Semae, pois na região de Cachoeira do Campo temos muitas reclamações do caminhão-pipa, que, segundo a população, não está atendendo corretamente. Questionei quanto à fiscalização desse caminhão, porque é uma questão emergencial, para que seja feito melhor direcionamento e os usuários possam ser bem atendidos”. O superintendente afirmou que, atualmente, existem quatro veículos do tipo na Prefeitura, mas que já está sendo estudada a compra de mais três caminhões. Afirmou, ainda, que está sendo reestruturada a forma de atendimento, para ser padronizado e melhor distribuído, em quantidade de litros de água fornecida por moradia que solicita, bem como em um rodízio entre as casas atendidas, por exemplo. “A médio e longo prazos, vamos buscar novas captações, fazer o tratamento e jogar no sistema, o que vai aliviar o sistema do Funil em Cachoeira do Campo e do Itacolomi aqui na sede”, apontou Júlio César.

Sobre a hidrometração, o superintendente informou que o estudo para regulamentação passará por uma nova avaliação do Conselho Municipal de Saneamento (Comusa) e depois será encaminhado para análise da Câmara de Vereadores. “De imediato, estamos contratando uma empresa para fazer a adequação e padronização das ligações de água existentes, que é a troca simples por uma ligação que seja compatível com a instalação do hidrômetro. Mas isso não quer dizer que será cobrada uma taxa de consumo agora, apenas será uma forma de entendermos o real consumo da comunidade”, esclareceu.

Outro importante ponto levantado pelos vereadores e também pelo Semae foi a necessidade do uso consciente do recurso hídrico, evitando desperdícios comuns no município. “Assim, esperamos que a população tenha consciência do problema da falta de água em Ouro Preto e que os projetos apresentados possam ser contemplados o quanto antes para resolvermos esse que é um dos maiores desafios do atual governo: resolver o problema da falta de água no nosso município”, acrescentou Wander Albuquerque.