Você está em:

Câmara de Ouro Preto participa de reinauguração do Chafariz dos Contos

E-mail Imprimir PDF

 

A Câmara Municipal de Ouro Preto, representada pelo presidente Wander Albuquerque (PDT), participou na noite dessa sexta-feira (23) da reinauguração do Chafariz dos Contos, localizado no Largo do Cinema e que há 20 anos não jorrava água. Foram 8 meses de trabalho para restaurar uma obra de 258 anos. O ato de reabertura do Chafariz dos Contos simboliza o início do Ano do Patrimônio Cultural em Ouro Preto, com uma exposição sobre as águas da cidade no anexo do Museu da Inconfidência.


“Participamos da reinaugurando desse importante monumento de nossa cidade, um patrimônio mandado construir, à época, pela Câmara de Ouro Preto. Em época de crise é que realmente mostramos nossa competência, por isso, meus parabéns a todos da equipe envolvida”, parabenizou Wander.

Construído em 1760 com a finalidade de abastecimento público, no alto do chafariz está inscrito em latim: Is quae potatum cole gens pleno ore Senatum, securi ut sitis nam jacit ille sitis. Que traduzido significa “Povo que vens beber, louva de boca cheia o Senado, porque tens sede e ele faz cessar”. O termo Senado da Câmara é como era chamado o Poder Legislativo na época colonial.

Até 29 de abril, a exposição "Água e Ouro Preto: patrimônios de todos nós" estará aberta a visitação gratuita no anexo do Museu, onde estão expostos livros sobre as arrematações das construções dos chafarizes, cuja responsabilidade se remetia à Câmara. Os detalhes sobre o uso da água nos séculos 18 e 19 são retratados nos livros sobre a legislação das águas de 1603 e as plantas do esgotamento sanitário da cidade. “Além de documentos importantes, e peças de tubulação em pedra sabão, chumbo e bronze, a mostra expõe uma réplica do busto do chafariz do Alto da Cruz, que é atribuída como primeira obra de arte pública de Aleijadinho”, lembra Zaqueu Astoni Moreira, secretário municipal de Cultura e Patrimônio. A exposição é fruto de uma parceria entre a Câmara de Ouro Preto, Prefeitura, Secretaria Municipal de Cultura e Patrimônio, Museu da Inconfidência, Ibram, Converso Comunicação, Gerdau e Valenet.

Para a diretora do Museu da Inconfidência Deise Lustosa, “estamos tendo a oportunidade de trabalhar em parceria com a Câmara, com a Prefeitura e outros partícipes dessa inauguração e exposição. Isso é importante não só para a cidade de Ouro Preto, mas para o conhecimento dos que vem conhecer nossa história. Essa parceria tem sido de muito importante e espero que possamos continuar”.

A solenidade de abertura das comemorações sobre a história da cidade também contou com a presença do Sr. Ângelo Oswaldo de Araújo, secretário de Cultura de Minas Gerais. “Chafariz é uma palavra de origem árabe e significa lugar onde se vai avivar a saliva, onde se mata a sede; essa é a origem da palavra. Esse que reinauguramos hoje é um dos mais bonitos do Brasil Colonial, sendo feita uma réplica do mesmo e enviada para os Estados Unidos. Ele, sem dúvida, é um símbolo da cultura brasileira”, revelou Ângelo, que também é ex-prefeito da cidade.

O chafariz foi uma cortesia pelas relações institucionais entre Brasil e Estados Unidos durante o governo do presidente Eurico Gaspar Dutra. O então embaixador do Brasil em Washington, Maurício Nabuco, mandou construir uma réplica do chafariz, que até hoje fica num parque da cidade norte-americana de “Brazil”, no estado americano de Indiana.

Durante o ano, dez datas serão festejadas. Entre elas, celebrando oficialmente os 280 anos do nascimento de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho; os 320 anos da chegada do bandeirante paulista Antônio Dias, fundador do primitivo arraial; e os 80 anos de tombamento do conjunto barroco pelo governo federal durante o governo Getúlio.

Também estiveram presentes no evento membros da sociedade ouro-pretana; o Prefeito de Ouro Preto Júlio Pimenta; o secretário municipal de Cultura e Patrimônio Zaquel Astoni; secretariado municipal; representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e do Museu da Inconfidência. Para evitar o desperdício, a água voltará a jorrar somente em datas cívicas e religiosas.