Você está em:

Melhorias para a Santa Casa de Ouro Preto são tema de reunião no Ministério da Saúde

E-mail Imprimir PDF

O presidente da Câmara Municipal de Ouro Preto, Wander Albuquerque (PDT), acompanhado do prefeito Júlio Pimenta (MDB); da reitora da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), Cláudia Marliére; do provedor da Santa Casa da Misericórdia de Ouro Preto, Marcelo Oliveira; do vice-provedor, Ronaldo Dutra; e do diretor-técnico da entidade, Leonardo Brandão; participaram de reunião no Ministério da Saúde, em Brasília, nessa quarta-feira (18). Durante o encontro com o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, a comitiva apresentou a parceria entre a Santa Casa de Misericórdia e a Ufop, com a finalidade de transformar a entidade em um hospital de ensino.

 

“O objetivo do encontro foi apresentar a parceria entre a Santa Casa de Misericórdia e a Ufop; agradecer a recuperação da UPA 24 horas [cujo recurso havia sido perdido no governo passado e foi revertido com o credenciamento da unidade junto ao Ministério da Saúde]; agradecer a conquista da Santa Casa, que hoje recebe pelos serviços o teto MAC [Limite Financeiro da Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar], com a alteração do valor de R$175 mil por mês para R$330 mil, e do Pronto Atendimento, que era deficitário, alterando o valor de R$14 mil para R$33 mil”, explicou Wander Albuquerque.

Ainda segundo o presidente do Legislativo, também foi feita a solicitação de mais dez leitos para a Santa Casa. “Mais uma vez, tivemos a confirmação do Ministério da Saúde quanto ao nosso pedido de mais dez leitos de UTI para o hospital. Será o credenciamento desses leitos junto ao órgão, dependendo apenas de a Santa Casa construí-los. Diante da dificuldade financeira enfrentada pela entidade, reivindicamos ao Ministério da Saúde também a verba para a construção. Imediatamente, o ministro solicitou o projeto para avaliação, e nós entendemos que será aprovado. Assim, já existem dez leitos, faríamos outros dez leitos pelo SUS e mais dez particulares, totalizando 30 leitos”, disse Wander.

Já o prefeito Júlio Pimenta ressaltou que “mesmo com toda a crise na saúde, podemos aguardar que a situação do município melhore. Por isso, valorizamos e apoiamos essa iniciativa, que trará recursos do governo federal e está alinhada a outras medidas que já estamos tomando em todo o setor.”

Segundo o provedor Marcelo Oliveira, “o ganho da população da região será enorme, porque vai aumentar a complexidade e a resolutividade do hospital. E, também, vai resolver um grande problema da Ufop, que passa a ter um hospital parceiro para o curso de Medicina”. O vice-provedor da Santa Casa, Ronaldo Dutra, complementou que os resultados da reunião foram positivos: “Para a população ouro-pretana, a certificação da Santa Casa como hospital de ensino cobrirá um vazio da saúde essencial para o bem-estar da cidade. Agradecemos ao Wander e ao Júlio pelo empenho.”

O encontro foi intermediado pelo deputado federal Toninho Pinheiro (PP) e pelo deputado estadual Alencar da Silveira Júnior (PDT). Para Toninho Pinheiro, “nossa parceria com o presidente da Câmara sempre levantou a bandeira da saúde. Após recuperarmos a verba da nova UPA de Ouro Preto, conseguimos destinar 10% dos R$7 milhões de emendas para a saúde da cidade, além da ampliação dos leitos da Santa Casa. Entendemos que essa mudança no atendimento da instituição será complementar à saúde da Região dos Inconfidentes”. O deputado Alencar da Silveira complementou que essa união do Legislativo e Executivo de Ouro Preto “é o que torna possível a mudança gradual da cidade. Em situações como esta, é necessário que a política seja feita com responsabilidade, e mais do que apontar os problemas, se proponha soluções.”

O projeto apresentado pela Santa Casa de Ouro Preto reforça o caráter filantrópico da entidade, que é referência na microrregião dos Inconfidentes para o atendimento de traumas. A proposta de parceria com a Escola de Medicina da Ufop (onde são realizadas no hospital atividades de internato) já foi obtida recentemente por meio da criação do Programa de Residência Médica em Neurologia e Residência Multidisciplinar. Porém, devido a restrições orçamentárias para o pagamento de bolsas, ainda não foi iniciada. A mudança abrange diversos tópicos: além do aumento dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva, inclui expansão da Unidade de Pronto Atendimento e a criação de outros serviços na unidade.