Você está em:

Câmara de Ouro Preto debate retorno das atividades da Samarco

E-mail Imprimir PDF

Dando continuidade ao diálogo com a empresa Samarco, que vem sendo realizado pelo Legislativo ouro-pretano no decorrer desta legislatura, foi realizada, na última sexta-feira (17), uma reunião entre representantes da Samarco e vereadores. Existe uma expectativa acerca da volta da Samarco, entretanto, há alguns condicionamentos para que a empresa possa retomar as atividades, entre eles: o Licenciamento Operacional Corretivo (LOC) e o Licenciamento da Cava Alegria Sul. Dessa forma, durante o encontro, foram discutidas diversas questões, como o compromisso com a reparação; o licenciamento ambiental e as soluções tecnológicas; a apresentação de planos emergências e a retomada gradual do retorno das operações.

 

 

De acordo com o diretor-presidente da Samarco, Rodrigo Vilela, “apresentamos para os vereadores de Ouro Preto o nosso processo de retorno, quais os compromissos para a retomada e para a contratação de pessoas e como está o processo de licenciamento. Nosso objetivo é, no processo de retomada, a contratação de 75 a 80% de mão de obra local. Recebemos algumas demandas por parte dos vereadores em relação aos impactos durante o acidente e vamos levar aos nossos acionistas para um aprofundamento”, explicou. Ele ainda reforça que “a Samarco sempre cuidou de Ouro Preto, tem a cidade como a sua casa. Esperamos voltar a operar, a gerar riqueza e que todos possam superar o mais rápido possível o trauma desse acidente”.

Os vereadores ouro-pretanos têm se empenhado para a inclusão de Ouro Preto no Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC) que trata dos projetos e ações quanto ao rompimento da Barragem de Fundão, em novembro de 2015, e que é seguido pela Fundação Renova para as suas atividades, incluindo 40 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. O TTAC foi assinado em março de 2016 entre Samarco Mineração, com o apoio de suas acionistas, Vale e BHP Billiton, e governo federal, governos estaduais de Minas Gerais e Espírito Santo e outros órgãos governamentais. Atualmente, Ouro Preto não recebe recursos, projetos e atividades da fundação por não estar entre os beneficiados pela entidade.

Dessa forma, o presidente da Câmara, Wander Albuquerque (PDT), ressalta que “aproveitamos a oportunidade para cobrar uma ação maior da Samarco em relação à Renova, porque não só a Câmara, mas a população de Ouro Preto se sente rejeitada pela fundação, uma vez que a cidade não tem sido contemplada em questão de empregos e valores; infelizmente, tem deixado Ouro Preto em segundo plano”.

Para o vereador Juliano Ferreira (MDB), que é presidente da Comissão Especial de Desenvolvimento Econômico Emprego e Renda do Legislativo ouro-pretano, durante a reunião, “foi esclarecido quais são as etapas para o retorno da Samarco. A nossa principal cobrança é em relação à paridade de direitos do município de Ouro Preto em relação ao município de Mariana, porque há reclamações generalizadas da comunidade que não têm sido atendidas do mesmo modo que os marianenses. Chegamos a um consenso em relação aos benefícios que a volta da Samarco irá trazer para os habitantes. Sendo assim, vamos fazer um estudo mais aprofundado de tudo que foi apresentado para que possamos ter um posicionamento final em relação ao retorno dos trabalhos. Entretanto, os discursos dos vereadores de Ouro Preto, de uma forma geral, sempre foi na defesa do emprego da população e dos impostos para o município”.

O vereador Vander Leitoa (PV), que foi um dos idealizadores do encontro, destacou que “foi uma reunião muito boa, inclusive nós nos aproximarmos ainda mais da empresa. Ficamos esperançosos com a volta da Samarco, a retomada dos trabalhos, porque sabemos das dificuldades, da crise no momento que enfrentamos, então, vamos continuar nessa luta. Faço parte da Comissão Especial de Desenvolvimento Econômico Emprego e Renda e estamos cobrando a todo momento”.

A vereadora Regina Braga (PSDB) acredita que “o que podemos constatar é que o caminho para o retorno da Samarco, apesar de torcermos muito, ainda é um pouco longo devido às licenças para poder começar a operar novamente. Outro ponto que colocamos é com relação à Renova incluir o nosso município na questão dos empregos. Também a questão de compensações, Ouro Preto se sente no direito de receber recursos. Então, é torcer para a Samarco voltar logo para gerar empregos, renda e arrecadação para o município”.

Os vereadores continuarão acompanhado o possível retorno das atividades da Samarco e aguardando as respostas para os questionamentos apresentados. Também participaram da reunião o vereador Marquinho do Esporte (SD); e os representantes da Samarco: o gerente de Meio Ambiente, Márcio Perdigão; Rodolpho Samorini e Guilherme Louzada, responsáveis pela gerência de Relações com a Sociedade.