Você está em:

Audiência pública debate sobre a Educação em Ouro Preto

E-mail Imprimir PDF

A Câmara Municipal de Ouro Preto promoveu, nessa quarta-feira (19), audiência pública para discutir a História, desafios e perspectivas da Educação em Ouro Preto. A reunião foi uma solicitação do vereador Geraldo Mendes (PCdoB), que presidiu o debate. Nesse mês, foi aprovado o projeto de Lei Ordinária Nº127/2018, de autoria do vereador Geraldo Mendes, que criou o Dia Municipal da Educação em Ouro Preto, a ser celebrado em 19 de setembro, data em que nasceu o educador Paulo Freire.

 

Para Geraldo Mendes “o nosso objetivo é melhorar, ainda mais, a educação do nosso município, então a audiência foi para discutir e dar encaminhamentos na área da educação da nossa cidade. Além disso, resolvemos fazer essa reunião em homenagem ao grande educador brasileiro Paulo Freire. Assim, discutimos a história, os desafios e as perspectivas da educação em Ouro Preto, e fizemos encaminhamentos que serão enviados para os órgãos competentes”, disse.


Entre os encaminhamentos criados, estão: escola mais crítica e construtiva; fortalecimento das parcerias (SRE, Ufop, IFMG, Faop, município, etc); mais ações voltadas para os jovens, conscientizando os dos “dons” artísticos; elaboração de programa, para o próximo ano, envolvendo as escolas em relação ao Dia Municipal da Educação; discutir o Plano Decenal de Educação novamente formando grupo de estudo para tal; pensar em uma formação continuada para professores em nível de troca de experiências; manifestação da Câmara pela revogação da Emenda Constitucional 95; implementação de Fórum Regional de Educação; criação do Observatório Municipal de Educação e investimento do município para que haja, no futuro, a escola em tempo integral.

O representante do Conselho Municipal de Educação, Leandro Andrade, esclareceu: “os problemas que o município tem passado são relativos ao corte de verbas. Em algumas escolas têm faltado recursos, como máquina para xerox, papel, giz e merenda. As soluções que vemos para o futuro e que propomos é tentar fortalecer as parcerias das escolas com outras instituições com o município, buscando uma educação que seja mais integral, democrática e humanizadora. Queremos que as escolas ultrapassem seus muros e que, não só a instituição, mas cidade seja educadora”.

A vereadora Regina Braga (PSDB), opinou sobre o debate, “a educação é a ferramenta mais forte e transformadora do mundo, sobretudo quando você pensa nas crianças e nos adolescentes. Debatemos sobre o que podemos fazer para melhorar a qualidade da nossa educação, para que a escola seja cada vez melhor e os profissionais mais valorizados. É importante capacitá-los e ter um cuidado com a questão da formação dos nossos professores. Temos que unir forças com as parcerias que temos no município”.

O vereador Chiquinho de Assis (PV) comentou que “tratamos sobre os dilemas e as perspectivas da educação no município. No entanto, como sempre, apesar de ser um tema importante, não temos tanta participação popular. É necessário que as pessoas se envolvam mais nessas discussões. Não adianta apenas querer creche, escola, qualidade de ensino, se não participamos do diálogo. Encaminhei para o Conselho Municipal de Educação que crie um observatório municipal de educação, onde possamos aferir os dados anualmente: número de professores, de alunos, as condições das escolas”.

Também estiveram presentes na sessão: Tereza Gabara, da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop); João Paulo Araújo, da Superintendência Regional de Ensino (SRE); Leandro Andrade, do Conselho Municipal de Educação; Janaína Penna, da Secretaria Municipal de Educação; Dalton Lopes, da Secretaria Municipal de Governo; Cláudia Martinha, da Rede Cidadã e a professora Rosângela Arlinda, da Casa do Professor.