Você está em:

Balanço dos casos de dengue em Ouro Preto é apresentado na Câmara

E-mail Imprimir PDF

Foi realizada nesta quinta-feira (30), a 30ª Reunião Ordinária de 2019 da Câmara Municipal de Ouro Preto. Durante a reunião, Ricardo Martins Fortes, diretor de Vigilância em Saúde da cidade, participou da Tribuna Livre, atendendo ao requerimento 214/2019, de autoria do vereador Chiquinho de Assis (PV). Na oportunidade, ele apresentou informações a respeito do número de casos de dengue no município. De acordo com Ricardo, até o momento, 38 casos de dengue foram confirmados na cidade em 2019. Desses, 35 acometidos no município e três foram importados. “Existem ações sendo realizadas durante todo o ano, que é o trabalho feito pelos agentes de endemias através do Programa Nacional de Combate a Dengue e, agora, também de combate a outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Essas ações consistem no tratamento focal, nas ações de manejo ambiental e eliminação de focos e criadouros do mosquito. Além do controle mecânico também tem o controle químico, através dos bloqueios dos casos suspeitos e também dos pontos estratégicos, onde tem potenciais criadouros do mosquito transmissor dessas doenças”, explicou.

Ricardo ainda lembrou da importância dos moradores serem atuantes no combate ao mosquito. “A orientação para a população é que, independente do trabalho do agente de endemias, cada um pode fazer sua parte em casa, ou seja, eliminando possíveis criadouros. Destaco que qualquer material que possa acumular água é um criadouro para o mosquito. Uma casquinha de ovo, uma tampinha de refrigerante e até mesmo os bebedouros dos animais de estimação, que devem ser lavados pelo menos uma vez por semana”, disse, ressaltando que mesmo que o número de casos de dengue tenha sido menor que o esperado, já que houve uma projeção com base nos picos epidêmicos que vem tendo no estado e também município, a situação é sempre preocupante e alarmante.

O vereador Chiquinho de Assis reforçou que atualmente a preocupação é também com a zika e a chikungunya. Embora não haja registro dessas doenças no município, há um aumento de casos em Minas Gerais. “Achei muito positiva a participação do Ricardo, que é um servidor de carreira do município. Vem exercendo com êxito a sua profissão. Muitas vezes refém dos investimentos na área. A gente percebe que a questão epidemiológica no município é muito séria, mas os números não foram tão gritantes assim. Todo o cuidado é pouco, algumas regiões a gente viu melhorias, como em Antônio Pereira, que sempre registrou muitos casos e que diminuiu agora. Mas a gente precisa continuar com a colaboração de todos, entendendo que outras doenças, além da dengue, estão aparecendo agora e elas são formadas diante do abandono, do lixo e do descaso da população. Então, não adianta a gente cobrar do poder público se a gente não faz a nossa parte”, destacou.

Em caso de suspeita de caso de dengue, a Unidade Básica mais próxima da residência ou a própria Unidade de Pronto Atendimento (UPA) deve ser procurada. Dúvidas pelos telefones 3559 – 3294 ou 3559 – 3250.

Manutenção em asfalto de Rodrigo Silva é cobrada pelos vereadores

Ainda durante a reunião, a vereadora Regina Braga (PSDB) apresentou o requerimento 223/209, solicitando informações sobre quando serão realizados os serviços de manutenção do asfalto que dá acesso ao distrito de Rodrigo Silva. “Esse requerimento é muito importante porque estamos tratando do direito de ir e vir das pessoas. Está ficando cada vez mais difícil a gente executar obras. Asfalto é caro, tanto é que existem outros distritos que não têm estrutura. Os poucos que a gente tem, que seriam nos distritos de Rodrigo Silva, Santa Rita, São Bartolomeu e Glaura, já que não estão conseguindo fazer novos, tem que fazer uma boa manutenção neles. Se você não faz uma boa manutenção você vai perder o que já tem. Essa semana fui procurada por moradores de Rodrigo Silva pedindo que eu entrasse com o requerimento questionando a questão, já que eles podem perder o asfalto que foi uma reivindicação atendida, um sonho deles. Eu espero que a Secretaria de Obras tome as providências o quanto antes”, disse.

Ao final, foram aprovadas três indicações, oito requerimentos, dois projetos de resolução, um projeto de Lei Ordinária e um projeto de Lei Complementar.