Você está em:

Projeto que capacita a comunidade local para o turismo é apresentado na Câmara

E-mail Imprimir PDF

A professora Kerley dos Santos Alves, do Departamento de Turismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), fez uso da Tribuna Livre durante a Reunião Ordinária dessa terça-feira (01) para apresentar o projeto “Conviver: valorização e capacitação de pessoas para o Turismo Vivo”.

O objetivo da ação é focar no desenvolvimento de atividades e capacitação para o turismo local, a fim de estimular o sentimento de pertencimento dos moradores da cidade e de valorização da cultura. O projeto teve início em 2017 e já capacitou cerca de 250 pessoas. Atualmente, 40 moradores da cidade participam das atividades, que conta com o apoio de  psicólogo, administrador, assistente social, turismólogo e voluntários de várias áreas.

De acordo com a professora, o intuito do “’Conviver’ é inserir na cena turística o morador de Ouro Preto, sobretudo dos bairros atendidos pelo Centro de Referência de Assistência Social (Cras). “A ideia é capacitar para o turismo, do ponto de vista técnico e valorizar essas pessoas para que elas comecem a valorizar a cidade, a desenvolver o sentimento de pertencimento e se apropriar dos equipamentos, atrativos turísticos e vivenciar a cidade como fruição, como possibilidade de hospitalidade, como memória afetiva. O objetivo também é inserir o morador dentro da universidade. Ocupamos esse espaço e, a cada 15 dias, vamos para a área central de Ouro Preto e para os distritos”.

O projeto foi apresentado na Câmara Municipal a convite do vereador Alysson Gugu (Cidadania), ex-aluno do curso de turismo e da coordenadora do projeto. “Sabemos que o empresariado toma conta do turismo, mas a comunidade local tem que se apropriar disso. Como em Lavras Novas, onde a comunidade trabalha com o turismo e tira seu sustento dele; ou em Santo Antônio do Leite, com potencial grande de fomentar mais o turismo. E também em São Bartolomeu, com o seu doce de goiabada e as festas tradicionais. Então, vejo com grande importância a participação da professora e de todos seus apoiadores aqui”, disse.

A diretora da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Habitação e Cidadania de Ouro Preto, Aline Testasicca, também presente na Reunião, destacou que “estamos desenvolvendo atividades, formações e encontros porque é um espaço de convivência e, de certa forma, de fortalecimento de vínculos desse público que é atendido. É perceptível a evolução desse usuário, o empoderamento daquele ser e de alteração do seu status. Ele se reconhece e se valoriza mais. O projeto promove ações em que o participante consegue superar a sua situação de vulnerabilidade”.

A vereadora Regina Braga (PSDB) também avaliou a iniciativa. “Esse é um projeto maravilhoso, que trabalha o turismo nas comunidades, sobretudo nos bairros. Sugeri de levar a comunidade para conhecer os distritos e também que os distritos venham conhecer os bairros da sede e o Centro Histórico. Acho isso importante porque a gente só valoriza, preserva, reconhece e ama quando a gente conhece. É um privilégio muito grande viver em Ouro Preto. Isso aqui é uma raridade. Diria que 90% dos ouro-pretanos não reconhecem isso porque não conhecem. Então, esse trabalho é muito importante”, pontuou.

A Reunião Ordinária ainda contou com a aprovação de três indicações, duas representações e quatro requerimentos. Além disso, um projeto de Lei Ordinária foi distribuído às Comissões e um projeto foi aprovado em redação final.