Você está em:

Câmara solicita reabilitação ambiental no lixão municipal

E-mail Imprimir PDF

Durante a 6º Reunião Ordinária de 2021, realizada nesta quinta-feira (21), foi aprovada a indicação Nº 48/2021, de autoria do vereador Matheus Pacheco (PV), encaminhada a Secretaria de Meio Ambiente e Secretaria de Obras solicitando que realizem a reabilitação ambiental no lixão de Ouro Preto e faça do local uma Usina de Reciclagem.

De acordo com o autor da indicação, que é professor de geografia, há vários motivos que tornam urgente tal indicação, entre eles os impactos ambientais causados no local. “É notório por todos os vereadores e toda população ouro-pretana a condição do aterro e atual lixão de nossa cidade. Os impactos ambientais causados naquele local são inúmeros, como a contaminação do solo por esse chorume , contaminação das águas subterrâneas, mau cheiro e até o mesmo o aumento no número de incêndios, que são causados pelos gases gerados a partir da decomposição de resíduos que são depositados lá.”, explicou.

Matheus ainda acrescentou que as atuais condições do lixão causam também impactos sociais. “Nós temos muitas pessoas que frequentam e trabalham naquele local para fazer a catação de materiais reutilizáveis que foram descartados no local e correm sérios riscos de se ferirem com algum objeto que foi descartado de forma irregular, além, claro, da contaminação por estarem expostos a esses agentes causadores de doença. Por isso, nós pedimos que essa área seja revitalizada com um plano bem elaborado, pois é necessário planejamento.”, disse.

O vereador Naércio França (Republicanos), que também assinou a indicação, ressaltou a necessidade da criação de uma Usina de Reciclagem Municipal no local.  “Temos que encarar essa situação, aquele local se tornou um lixão e agora a gente pede que se faça uma Usina de Reciclagem, para que a gente possa reestruturar essa área, pois as consequências desse lixão são muitas.”, pontuou.

O presidente da Câmara, Luiz Gonzaga do Morro (PL), lembrou que esse problema do lixão é recorrente e que já foi discutido na casa em outras ocasiões. “Nesses dozes anos que a gente passou na casa teve sempre esse problema e não podemos fazer politicagem com coisa séria. E agora mais uma vez o povo retoma as esperanças, então esperamos que dessa vez se tome as providências, já que temos tantas tecnologias novas à disposição.", enfatizou.