Câmara e comunidade debatem acessibilidade em Ouro Preto

Câmara e comunidade debatem acessibilidade em Ouro Preto

 

Gabinete da Prefeitura lotou para a reunião da acessibilidade

Gabinete da Prefeitura lotou para a reunião da acessibilidade

Vereador Flávio Andrade propos que o debate sobre a acessibilidade continue

Vereador Flávio Andrade propos que o debate sobre a acessibilidade continue

As pessoas com algum tipo de deficiência ou com mobilidade reduzida enfrentam diversas dificuldades para se locomoverem em Ouro Preto. A fim de analisar as questões que envolvem a acessibilidade no município, a Câmara de Vereadores promoveu uma Audiência Pública, na última quinta-feira (11), no Gabinete da prefeitura.

 

Durante a reunião, o coordenador da Coordenadoria de Apoio e Assistência à Pessoa Deficiente (Caade), da Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Sedese), Flávio Oliveira, ministrou uma palestra sobre acessibilidade e políticas de atenção às pessoas com deficiência. Para ele, um debate como este insere o tema ‘inclusão de pessoas com deficiência’ na agenda de discussões da sociedade. “Essa Audiência Pública ajuda a difundir o assunto, além de propiciar a mobilização da comunidade. Através da participação de todos os atores sociais envolvidos, como poder público, Legislativo, Executivo e Judiciário, da sociedade civil e da iniciativa privada, nós vamos alcançar os objetivos de inclusão de pessoas com deficiência”, salientou.

Flávio Oliveira, que é deficiente visual, apresentou dados estatísticos sobre o tema no mundo e no país. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em Ouro Preto, existem 8.068 pessoas com deficiência. Esse cálculo é feito com base no Censo de 2000 e em uma estimativa na qual aproximadamente 14% da população é portadora de alguma deficiência.

Nesse sentido, é grande o número de moradores e visitantes que encontram problemas para transitarem no município. O vereador Flávio Andrade (PV), que solicitou a realização da Audiência Pública, acredita que é preciso debater o assunto e buscar soluções plausíveis para a acessibilidade em Ouro Preto.

“Analisamos diversas questões pontuais, como manutenção dos passeios, calçamento das ruas, sistema de caixa eletrônico das agências bancárias, visitação aos museus da cidade, letreiros de ônibus, rampas nas ruas e em escadas para o acesso de cadeiras de rodas. Enfim, discutimos alguns pontos, mas é lógico que o assunto demanda ainda mais debates. Entretanto, tenho certeza de que demos um grande passo em prol da acessibilidade no município”, explicou Flávio Andrade.

A fim de continuar a debater o tema, foi criado um grupo de trabalho entre as pessoas presentes na reunião. A equipe vai reunir as propostas feitas durante a Audiência Pública e providenciar os encaminhamentos necessários aos órgãos competentes, além de manter uma rede de comunicação entre os interessados no assunto que participaram do evento. Entre as sugestões mais relevantes estão a implantação de um Conselho Municipal de Portadores de Deficiência, a criação de campanhas educativas para reduzir o preconceito com os deficientes, além do contato direto com órgão públicos e construtoras para estudar a melhor forma de melhorar a acessibilidade nas ruas e imóveis de Ouro Preto.

Clique aqui para copiar a apresentação exibida durante a Audiência Pública.

 

Anterior Municípios Construindo Acessibilidade: O Que Todo Prefeito Deve Saber

Deixe O Seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.