Você está em:

Câmara chama a atenção para o Dia Mundial da Saúde Mental

E-mail Imprimir PDF

O Dia Mundial da Saúde Mental, celebrado nesta quinta-feira (10), foi tema da Tribuna Livre durante a 61ª Reunião Ordinária de 2019. Na oportunidade, a equipe de Coordenação Colegiada de Saúde Mental do município falou sobre a importância de celebrar a data.

Para a coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial da Infância e da Adolescência (Caps I), Cristine Algarves Magalhães, a data é uma comemoração, de alegria e de fortalecer essas políticas públicas no município. “Hoje, na Câmara de Ouro Preto, tivemos o espaço aberto e estamos imensamente agradecidos pelo apoio e por esse momento lindo que aconteceu aqui. Quero reforçar a importância da saúde mental para toda a comunidade porque todos nós precisamos dela. Estamos sempre realizando ações para atender toda a população de Ouro Preto, na sede e distritos. Temos hoje uma equipe mínima de multiprofissionais, mas com vários projetos e precisamos de parceria e apoio”, disse.

De acordo com Luciano Nascimento, coordenador do Centro de Atenção Psicossocial (Caps II), não há uma definição específica do que seja saúde mental. “Existe um entendimento de que a saúde mental é um conjunto do bem-estar, que pode ser promovido tanto pela sociedade como um todo, quanto pela família e cada pessoa, individualmente, de cuidar da sua saúde de forma integral, para que a vida seja mais leve, tranquila e mais prazerosa. O serviço da saúde mental em Ouro Preto sempre foi um serviço militante, que luta intensivamente para manutenção de um serviço que cuide, de fato, da promoção da saúde. Participar de espaços políticos, como hoje, é um ato de resistência e, acima de tudo, de muito respeito às instituições que podem e devem nos apoiar a todo momento’, ressaltou.

Para o vereador Zé do Binga (PPS) a saúde mental em Ouro Preto, principalmente, deve ser lembrada todos os dias. “Eu acho que o tema vai muito além, com apoio das igrejas, dos políticos, executivo, legislativo e da sociedade civil como um todo. Nós temos hoje aí uma epidemia das drogas, que é uma doença mental também, que está afetando as crianças e os adolescentes. Temos que começar da base, de acolhermos as pessoas. É uma doença que pode afligir qualquer um. É responsabilidade nossa. Em várias casas têm alguém passando por problemas assim. É seríssimo o que está acontecendo, principalmente na nossa cidade. Temos que preservar a promoção e prevenção das doenças”, pontuou.

O Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Ouro Preto é dividido em três unidades, que funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

- Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil - Caps ij. Endereço: rua Dom Helvécio, 429, bairro Cabeças. Contato: (31) 3552 - 3165

- Centro de Atenção Psicossocial – Caps II. Endereço: rua Tomé Vasconcelos, 161, bairro Água Limpa. Contato: (31) 3559 - 3266.

- Drogas – Caps ad II. Endereço: rua Nossa Senhora do Parto, nº 50, bairro Padre Faria. Contato: (31) 3552 – 6317

Vereadores debatem decisão do TJMG sobre gratuidade para idosos no transporte público

Ainda durante a reunião, os edis debateram sobre a decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que determinou que apenas idosos com mais de 65 anos terão direito a gratuidade no transporte público. De acordo com o vereador Chiquinho de Assis (PV), “quando fizemos o gesto de buscar essa gratuidade aos idosos maiores de 60 anos, a empresa de transporte público rapidamente recorreu, mas ficou valendo a decisão da gratuidade. Já tem quatro anos que a gente conseguiu isso. Agora, a Federação dos Transporte entrou com uma cautelar, dizendo que essa medida é inconstitucional. A Cautelar não é uma decisão final, ainda terá a decisão do mérito. Então, pedimos calma a população porque estamos trabalhando aqui com o jurídico da Câmara, pedindo ao município também que entre nessa luta a favor do povo. Vamos lutar para isso e eu acredito que vai continuar valendo”.

Ao final da Reunião, foram aprovadas três representações, cinco requerimentos, duas indicações, cinco Moções de Aplauso e uma Moção de Repúdio. Além disso, dois projetos de Lei Complementar foram distribuídos às comissões.