Obras mal feitas geram insatisfação

Obras mal feitas geram insatisfação

Obras mal feitas geram insatisfação

Câmara Municipal de Ouro Preto - Obras mal feitas geram insatisfação

Obras mal feitas geram insatisfação

Depois de alguns dias de calmaria, o clima voltou a ficar tenso entre a Câmara Municipal e a Prefeitura. O motivo é o mesmo que gerou a primeira grande crise no governo Ângelo Oswaldo: a Secretaria de Obras. Na reunião ordinária do Legislativo, na última terça-feira, 7, os vereadores criticaram a baixa qualidade das obras realizadas pela pasta comandada por Júlio Pimenta, assim como a continuidade de ações irregulares na administração da Secretaria. As críticas foram todas baseadas em reclamações e denúncias levadas à Câmara por populares. Dois requerimentos, de autoria dos vereadores Regina Braga e Leonardo Barbosa, o “Léo Feijoada”, ambos do PSDB, foram o estopim para que a maioria dos parlamentares manifestasse o seu desacordo com a condução dos trabalhos na Secretaria.

O pedido de informações sobre o asfaltamento da estrada de Engenheiro Correia, obra escolhida pelos moradores do distrito no Orçamento Participativo de 2005, foi o tema do requerimento apresentado por Regina Braga. Conforme a vereadora, há contradições sobre a conclusão da obra, cuja baixa qualidade tem sido questionada pela comunidade. “Apresentei esse requerimento porque o empreiteiro responsável pela obra disse a mim, à Associação de Moradores e aos delegados do Orçamento Participativo que o trabalho já estava terminado. O Prefeito e o secretário me disseram o contrário, mas até hoje não me deram nenhuma resposta definitiva sobre o assunto” justificou. “Jogaram uma camada fina de asfalto sobre a estrada, que já está trincando. O serviço foi feito à mão, com carrinhos e pás, sem nenhum cuidado” declarou Regina Braga, informando que o valor da obra é estimado em R$ 80 mil. “Quero saber se essa é a obra. Se for, é caso de polícia, porque o asfaltamento que foi feito não deve ter custado nem R$ 20 mil”, concluiu.

Já o requerimento de “Léo Feijoada” pediu esclarecimentos sobre indícios de que a Secretaria de Obras também estaria incorrendo em uma irregularidade que o vereador vem denunciando em outros setores da Prefeitura: o pagamento de salário a funcionários que não trabalham. “Há dois meses atrás fiz um requerimento ao Departamento de Pessoal e Recursos Humanos da Prefeitura, pedindo informações sobre um funcionário efetivo que estaria recebendo sem trabalhar. Queria saber onde ele está lotado, quais são as suas atividades e o valor de seu salário”, contou “Léo Feijoada”, acrescentando que seus assessores e outros servidores da Prefeitura já haviam comprovado a ausência diária desse funcionário de seu posto de trabalho. “A resposta foi que esse cidadão está lotado na Secretaria de Obras e que recebe cerca de R$ 7 mil por mês, mas sobre suas atividades não me disseram nada. O que me surpreendeu é que fui informado pelo próprio Departamento Pessoal e Recursos Humanos da Prefeitura, de que essas informações haviam sido negadas pela Secretaria de Obras. Espero que a resposta a esse novo requerimento venha completa”, disse.

A apresentação de fotos de construções irregulares no morro do Cruzeiro, que separa a igreja de Santa Efigênia do bairro Santa Cruz, também levantou críticas dos parlamentares à Secretaria de Obras. Segundo o presidente da Câmara, Wanderley Rossi Kuruzu (PT), que esteve pessoalmente no local, moradores lhe informaram que a construção das casas, em área de risco, foi incentivada por um secretário e seu adjunto, cujos nomes ele não quis revelar. “Os proprietários contaram que um secretário, do qual eu não quero nem falar o nome, assegurou a abertura de uma rua no local e que mais pessoas já poderiam começar a construir suas casas ali, no meio de um barranco. Como se não bastasse, as mesmas pessoas relataram que o padrão que garante a iluminação das casas foi doado por um auxiliar deste mesmo secretário”, afirmou Kuruzu. “Está acontecendo tudo aquilo que acontecia no passado e que nós condenávamos. Enquanto o governo se esforça para implantar uma política séria de desenvolvimento habitacional e urbano, com a votação do Plano Diretor e com o projeto Um Teto é Tudo, tem gente irresponsável na Prefeitura estimulando a ocupação desordenada”, protestou.

Foto: Obra de asfaltamento recém executada em Engenheiro Correia

Publicado por: Assessoria de Comunicação em 09/11/2006

Anterior Confira a programação do CAC

Deixe O Seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.