Você está em:

Ouro Preto agradece a Dr. Rui Mourão por meio de homenagem da Câmara de Vereadores

E-mail Imprimir PDF

 

“Hoje, é sem dúvida nenhuma o dia de maior emoção da minha vida!” Assim, resumiu Rui Mourão em sua fala durante a sessão solene da Câmara Municipal de Ouro Preto em sua homenagem, realizada nessa quinta-feira (5), no Plenário da Casa. Após 43 anos como diretor do Museu da Inconfidência, ele se aposentou nessa semana, deixando um legado de trabalho e dedicação ao patrimônio e à cultura de Ouro Preto.


Nascido em Bambuí (MG), em 1929, Rui Mourão é oficialmente Cidadão Honorário de Ouro Preto, título já concedido pela Câmara Municipal. Agora, na data de sua aposentadoria, o Legislativo mais uma vez presta sua homenagem a ele. A solenidade foi motivada por requerimento do vereador Chiquinho de Assis (PV) e aprovada em Plenário por unanimidade, em agradecimento pelos anos de serviços prestados ao município por meio do Museu da Inconfidência.

“É uma homenagem de gratidão. A cidade tem que ser eternamente grata a toda sua dedicação, que fez um trabalho devotado dia a dia no Museu da Inconfidência, hoje, um dos maiores do País. Segundo as estatísticas, é o segundo museu mais visitado do país, perdendo apenas para o de Petrópolis. Tudo isso mostra que o trabalho dele culminou em uma grande rede de abrangência de museal em Ouro Preto”, aponta Chiquinho de Assis.

O prefeito Júlio Pimenta concorda sobre a importância da homenagem: “Dr. Rui deixa um legado muito grande. Não só para Ouro Preto, mas para todo o Brasil e toda humanidade. Todo o trabalho e a dedicação ao no Museu da Inconfidência, na preservação da nossa história, o seu carinho, a sua determinação. Isso tudo é um exemplo para todos nós”.

A noite foi marcada por forte emoção. Amigos, familiares e funcionários do museu também prestaram suas homenagens a Dr. Rui, como é carinhosamente chamado. “O museu acrescentou demais a mim. Eu sou escritor e ele modificou, realmente, a minha linguagem literária; tanto o museu, quanto Ouro Preto. Não há nada que represente mais Minas Gerais, que é um dos estados mais importantes e significativos, da história e da realidade política e administrativa brasileira”.

Bacharel em Direito e mestre em Literatura Brasileira, é um dos grandes romancistas e ensaístas do país. Professor, editor e gestor cultural, foi diretor da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) e em 1974 tornou-se diretor do Museu da Inconfidência, ocupando o cargo até este ano. A nova diretora da instituição é a arquiteta Deise Cavalcanti Lustosa.