Você está em:

Vereadores solicitam melhorias para o sistema de saúde em Ouro Preto

E-mail Imprimir PDF

entre as solicitações está a criação de uma Clínica da Mulher e realização de campanha de doação de sangue

Durante a 41ª Reunião Ordinária de 2022, realizada nesta terça-feira (05), foram aprovados diversos documentos visando implementar melhorias no sistema de saúde do município.

A Indicação Nº 252/2022, de autoria do vereador Zé do Binga (PV),  encaminhada ao Prefeito Municipal e ao Secretário de Saúde, solicita providências para  a criação da “Clínica da Mulher” em Ouro Preto.

Segundo o vereador, muitos municípios em todo o Brasil já dispõem de um Centro de Atendimento Especializado à Mulher, cujo espaço é equipado para prestar atendimento às mulheres das diferentes faixas etárias, realizando atendimento médico e consultas em diversas áreas, como os exames, como a mamografia, ultrassonografia e testes necessários para o diagnóstico precoce de câncer, além das orientações que têm relação a doenças que poderão ser prevenidas.

A Indicação Nº 253/2022, de autoria do vereador Naércio Ferreira (Republicanos),  encaminhada à Secretaria de Saúde, solicita informações sobre possibilidade de realizar doação de sangue semestralmente no município, por meio de parcerias com a Universidade Federal de Ouro Preto e com a Fundação Hemominas.

Para o parlamentar, tal solicitação se faz necessária tendo em vista que há demanda de sangue em Ouro Preto, porém, muitas vezes os voluntários doadores não conseguem se deslocar até Belo Horizonte para realizar a doação. Assim, com uma campanha de doação de sangue dentro do município, acredita-se que o número de doadores irá aumentar, fortalecendo, assim, os bancos de sangue.

Já a Representação Nº 187/2022, de autoria da vereadora Lílian França (PDT) e enviada ao Conselho Municipal de Saúde (CMS), solicita informações acerca da histerectomia, remoção cirúrgica do útero, no município de Ouro Preto.

Conforme a vereadora, como o câncer de colo do útero é um dos mais frequentes na população feminina, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), e, quando descobertos precocemente, quase a totalidade dos casos são curáveis, é necessário que o CMS informe sobre o prazo de espera das mulheres na fila para a cirurgia, se há fiscalização a respeito do tempo de espera para realização do procedimento, como o Conselho pode atuar junto a Secretaria de Saúde para que as filas sejam zeradas e se existe uma campanha de sensibilização de ambas as partes para a realização de exames preventivos.